Gestão de Farmácia Hospitalar


Instituição

Unidade Local Saúde Castelo Branco

Autores:

Sofia Santos, Carla Ponte, Sandra Queimado, Rita Moras

O que foi feito ?:

Procedeu-se à instalação e organização de uma farmácia-satélite (FS) num centro de vacinação COVID-19 (CVC) por iniciativa dos Serviços Farmacêuticos da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco (ULSCB), em articulação com as diversas valências da instituição envolvidas.

Porque foi feito ?:

A vacinação desempenha um papel central na preservação de vidas humanas no contexto da pandemia COVID-19. Os CVC introduziram o conceito de vacinação em massa, de modo a que esta fosse rápida, eficaz e global para fazer face a situação pandémica, de acordo com as diferentes normas de vacinação emitidas pela Direção Geral de Saúde (DGS) e task force da vacinação.

Como foi feito?:

Inicialmente, planearam-se as necessidades criadas pela implementação de uma FS no CVC. Seguidamente, organizaram-se as equipas de produção (que procedem à manipulação da vacina) e definiu-se uma sinalética de segurança para diferenciar as distintas marcas de vacinas. Depois, estabeleceu-se um circuito das vacinas que garantisse a cadeia de frio e uma gestão de stocks eficiente (incluindo controlo da mala de emergência e articulação com o Serviço de Consulta Externa na vacinação intra-hospitalar). Foram elaborados e aplicados questionários pré-vacinais, bem como folhetos informativos para o utente. Deu-se cumprimento de forma transversal as normas e diretrizes da DGS, task force nacional e local. Centralizou-se a farmacovigilância e a prestação de informação sobre vacinas a utentes e profissionais de saúde.

O que se concluiu?:

A centralização da preparação das vacinas no CVC permitiu otimização da gestão de stocks e administração das vacinas, com taxas de produção superiores a 100% para as quatro marcas disponíveis (Cominarty: 106,7%; Vaxzevria: 117%; Spikevax: 113%; Janssen: 114%), num total de 61830 vacinas produzidas (Cominarty: 6027 frascos; Vaxzevria: 980 frascos; Spikevax: 631 frascos; Janssen: 593 frascos). Conseguiu-se garantir ainda de forma eficiente a validade das vacinas, bem como a manutenção da rede de frio. Deste modo, garantiu-se a vacina mais adequada ao público-alvo, de acordo com stock e disponibilidade.

O que fazer no futuro?:

Esta iniciativa demonstra a importância da presença do farmacêutico em todas as estruturas prestadoras de cuidados, bem como em projetos de saúde pública (promoção da saúde e prevenção da doença). É importante realçar que se garantiu a segurança e a efetividade da tecnologia de saúde em causa (vacina COVID-19) em articulação com os outros elementos da equipa interdisciplinar do CVC, equipa de vacinação intra-hospitalar e task force local.
Esta experiência poderá ser replicada em outros pontos do país, permitindo uma melhor gestão do processo de produção de vacinas (libertando recursos em saúde), bem como garantir um acesso universal e em tempo útil a esta tecnologia de saúde. Fora do âmbito COVID-19, pode ser um modelo aplicável em situações análogas que se venham a revelar necessárias em contexto de novas pandemias ou de plano nacional de vacinação.

Palavras chave :

COVID-19
cvc
 
ORDEM DOS FARMACÊUTICOS
Rua da Sociedade Farmacêutica 18,
1169-075 Lisboa

TELEF: 213 191 382 - Fax. 213 191 399
Email: colegios.especialidade©ordemfarmaceuticos.pt

© ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - COLÉGIOS DE ESPECIALIDADE